terça-feira, 28 de junho de 2011

O nascimento de um novo tempo – A Paixão por Mistérios





A Paixão por Mistérios na Resistência Teísta
Com certeza
Deus vai morrer!

parte 1 – o problema da tese em sua antítese
Isso prova que Deus existe, Isso prova que Deus não existe

    Costumamos ver muitos debates sobre a existência de Deus nos mais diversos e mais variados meios de mídia em massa, redes de TV, web e até livros. Ao depararmos com debates sérios entre professores de nome ou mesmo livros que defendem a ideia de existência e outros que defendem a ideia de inexistência de um ser divino, podemos ver que existe um empasse entre as duas posições, todos se propõem a mostrar de forma lúcida suas visões sobre suas crenças e tentar defender suas teses. Mas qual a diferença de uma tese para existência divina e uma antítese para existência divina? Como se comportam teses e antíteses é a minha proposta nesse texto.
    Para os ateus, como disse Christopher Hitchens qualquer afirmação que pode ser aceita sem provas também pode ser descartada sem provas, ou seja se qualquer um pode aceitar a afirmação que Deus existe sem que seja necessário um minimo de provas, qualquer um pode vir a descartar a proposta de necessidade de credulidade sem precisar de nenhuma justificativa, como uma pessoa sensata ou mentalmente saudável pode aceitar qualquer tipo de proposta de Deus e sua teodiceia ou afirmação fantasiosa qualquer(incluindo a existência de vida após a morte) sem exigir qualquer tipo de prova? Portanto a não existência de qualquer tipo de divindade se da através da inviabilidade da mesma para existir, a incerteza de existência de divindades pode parecer ser de certa forma o alvo principal das colocações ateístas, com objetivo de mostrar que a irracionalidade é a mãe de todas as crenças, os ateus podem exibir um quadro de statos religiosos global que se opõe as propostas racionais em um processo de negação continuo, pois somente negando as provas necessárias para validar qualquer tese religiosa se consegue alcançar a fé. Para crer em Deus ou em qualquer outra entidade religiosa é necessário assumir todo um background de fantasias, desde cobras falantes até visões gente que pode voltar a vida três dias depois de morto.
    Notamos também que as avaliações teístas sobre as colocações ateístas, todas as literaturas ateístas sofrem da carência de análises filosóficas ou simplesmente são pobres em conteúdos filosóficos, mas será que existe qualquer tipo de necessidade de analise filosófica para podermos contestar qualquer tipo de pensamento medieval em que adeptos religiosos expressam seus fundamentos tribais? Ou será que a busca filosófica para um sentido de existência propria ou proposito de ser, não está se confundindo com essas ideias medievais de virtude difundidas em crendices religiosas? Será que de alguma forma a busca filosófica para um sentido de existência não etá fomentando a necessidade de um monte de tradições tribais? Crenças medievais podem ser explicadas através de analises filosóficas, mas será que essa necessidade de critica filosófica pode de alguma forma ser útil para invalidar a proposta infundamentada de um ideal religioso?
    Podemos aplicar uma analise filosófica ao contexto da violência ou de um conceito de moralidade? Será que um soldado alemão após dois dias de assassinatos e de colocar judeus para morrer em câmaras de gaz, ao chegar em casa poderia ser um pai violento? Os teístas como William Lane Craig afirmam que as literaturas modernas de ateístas como Sam Harris, Christopher Hitchens, Richard Dawkins e outros são literaturas pobres em conteúdo filosóficos, e que seus textos estão repletos de ódio e mágoa pelas religiões, o mesmo doutor Craig afirmou no The Michel Coren Show 29 de janeiro de 2009 que filósofos ateus como Bertrand Russel, Friederich Nietzsche e outros filosófos anteriores estão ultrapassados e que está ocorrendo uma pequena revolução em sua matéria(filosofia), que através de uma análise filosófica se torna claro a necessidade de existência de um Deus. Sem relatar que tipo de revolução, Craig não deixa de fazer uso da falacia da alegação especial aonde ele acha que somente filósofos profissionais podem fazer analises criticas sobre Deus ou qualquer tipo de coisa que não possa ser medido matematicamente e somente possa ser medido ou realizado por meio de reflexões filosóficas O mesmo Craig admitiu no The Michael Coren Show que o universo tem uma idade aproximada de treze a quinze bilhões de anos, que Deus é a melhor explicação para o Big Bang e que Deus é o responsável pela sintonia fina que permitiu que a vida pudesse se formar no universo, não expondo o proposito de Adão e Eva e o Jardim do Edem, Deus na posição defendida por Craig é o ser que criou o sentido de moralidade. De certa forma não quero assumir a posição de defesa nem de acusação, mas defender que a tese que prova uma existência divina e circular de tal forma que não tem como provar a inexistência de tais Teodiceias, deixando somente uma forma de antítese para invalidar a proposta circular,”_O mal existe, na escritura é falado que Deus é propagador da paz, a paz somente pode ser alcançada com Deus portanto Deus existe porque pessoas sentem a paz”. O mal talvez seja o maior problema da teodiceia, como pode tal ser supremo conhecedor de tudo e ao mesmo tempo ser tão poderoso ao ponto de construir um universo tolerar que crianças sofram de Síndrome de Down? tolerar que padres estuprem? tolerar que uma criança seja estuprada dentro de uma pia batismal? Toda as afirmações que invalidam a impotência divina tem sempre uma explicação “_Deus deu o livre arbítrio ao homem portanto ele é livre para fazer o bem e o mal”, e Deus não irá interferir na vontade humana, porem somente se um indivíduo cristão ou até muçulmano orar por proteção o mesmo criador virá a intervir no livre arbítrio alheio, essa proposta de oração para interferencia divina e comunhão com um universo sobrenatural quebra a premissa do livre arbítrio, pois será necessário uma interferência divina para que tal evento aconteça. Isso é uma antítese contra a proposta do livre arbítrio, o homem é livre para fazer o que bem entende porem os homens devem orar para que Deus interfira no seu miraculoso plano. Quais são as possibilidade da existência de Deus e quais são as impossibilidades ou fator de inexistência? Primeiro o grande problema da validação dos casos, na Odisseia de Homero é falado sobre um ciclope gigante, se qualquer fanático seguidor quisesse criar um grupo de seguidores da Odisseia eles também teriam relatos o suficiente para fundamentar as suas crenças, sobrando ao resto de nos somente a proposta de invalidar o caso através da impossibilidade de tais relatos serem fatos, assim como cobras que não podem falar são os invalidadores para as historias de cobras falantes. Isso é que dizer que somente um conjunto de impossibilidades de fatos que comprovam uma existência divina pode invalidar a mesma, visto que para aceitar a proposta de Deus é necessário também aceitar todo o background teológico com toda a sua teodiceia aonde, um homem é engolido por um peixe gigante, sonhos de vacas magras comendo vacas gordas, civilizações que vagam pelo deserto durante quarenta anos rumo a uma terra prometida(em media eles caminharam três metros por dia), sonhos de bodes voadores, sonhos de homens feitos de partes diferentes, homens que morrem e ressuscitam, fogos que descem dos céus, mares que se abrem, uma mulher que alimenta toda uma tribo colhendo os grãos de milho do chão, depósitos de grãos que alimentam um pais durante sete anos de seca, demônios que saem de esquizofrênicos e entram em porcos e porcos que se atiram de precipícios e assim em diante. Se você acha que esses relatos são válidos como sendo provas da existência de Deus, pode colocar seus pés no chão pois esses relatos não passam de relatos que inclusive são tão absurdos quanto são fantasiosos, são tão impossíveis para qualquer um dos lados provar sua validade ou invalidade, deixando somente o processo de inviabilidade para invalidar esses relatos, sabemos que não existem cobras falantes, sabemos que homens não ressuscitam após três dias de morte, sabemos que virgens não engravidam, sabemos que homens não podem caminhar sobre a água e muito menos ficar parados sobre ela. Ao mesmo tempo dentro de uma perspectiva racional essa pode ser considerada uma tese de que existe uma impossibilidade para existência de qualquer entidade divina visto que essas entidades se espresam por relatos e esses relatos pedem esplicação.
    Podemos ver nesses debates um processo de validação das teses religiosas de existência divina em argumentos non-sequitur, vindo da posição cristã ou teísta “_A existência divina se vale no mal causado no mundo pela falta de credulidade humana estando em Deus a visão de um ser completo em bondade e compaixão”. Teses de credulidades religiosas inúteis e inconsequentes que não medem o minimo de impossibilidade de conexão com a realidade, mas o foco desse texto é o de entender quem esta defendendo o que, e como se esta defendendo.
   A proposta dos teístas que podem ser mostradas em duas visões, primeira existem bons motivos para se acreditar em Deus, segunda existem maus motivos para não se acreditar em Deus. Na posição de ateístas duas propostas estão dispostas em observação as consequências de credulidade por parte dos adeptos a deidade cristã, primeira não existe nenhum bom motivo para se acreditar em Deus ou em nenhum tipo de evento metafisico, segundo existem bons motivos para ser ateu e não acreditar em Deus. De um certo ponto, o segundo processo de cada um dos lados é um reforço o primeiro processo do outro.
Para os ateístas o que está em questão é a aceitação da realidade livre de todos os tipos de crédulos religiosos e o problemas advindos dos seus métodos para realização de seus rituais, mutilação pessoal ou alheia em nome da religião, livre da imposição de um estado de moralidade religiosa através de uma puritanismo hipocrita e virtudes infundamentadas. Cada geração é livre para revisar e atualizar os conhecimentos passados a eles, até aonde Deus pode ser atualizado para se adequar as nossas novas normas comportamentais sociais? Mulheres já tem a mesma liberdade de ocupar o mesmo espaço e os mesmos cargos que os homens, negros já tem o direito de não serem mais escravos e ocupam também os mesmos cargos que os brancos. Curandeirismo é crime mas ainda assim muitas religiões fazem um espetáculo de cura e milagres, o artigo nº 284 do código penal brasileiro existe para enquadrar qualquer um que conjurar forças para fazer milagres de cura, portanto Deus está proibido de atuar na carreira medica(O que é muito engraçado pois o espetáculo da cura acontece de segunda a segunda). Enquanto para os indivíduos que o praticam cura estão justificar suas alegações e poderes como sendo um ato sagrado. O que para um os Ateus pode ser justificado como curandeirismo e charlatanismo pelo os Teístas é tido como milagre e revelação divina.
    Para Teistas o ato de não acreditar é uma situação que deve até de certa forma merecer uma punição, por vários motivos a falta de credulidade é vista com maus olhos por parte de Teistas, um dos mais fortes talvez seja a ideia de que o carater social é originado em um berço divino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário